Contacto | Aviso legal english português České deutsch

Rotas Comerciais antigas e atuais

Produtos globais na vida diária

 

Sumário

O Museu de História Natural, em Nuremberga acolhe uma instalação sobre o comércio global. A instalação mostra as semelhanças e as mudanças no comércio transregional, concentrando-se diferentes produtos. Chama a atenção dos visitantes para os problemas na produção e promove alternativas sustentáveis como o Comércio Justo.

A instalação está localizada na seção de arqueologia junto às exposição sobre a cidade histórica de Petra (na atual na Jordânia). A instalação mostra produtos antigos como incenso, mirra e canela e suas rotas de comércio antigas e algumas populares de hoje, como o café, a baunilha e a borracha. Caixas olfativas com diferentes produtos comercializados no interior permitem ao visitante descobrir através dos aromas: cheirar e aprender mais sobre estes produtos e o seu comércio no mundo.

Detalhes

  • A instalação encontra-se dividida em dois painéis informativos com dois mapas. Do lado esquerdo é exibida a antiga "estrada do incenso". Aqui setas mostram as rotas do comércio e transporte de produtos antigos, como incenso, canela e mirra, vindos da Índia, China e de áreas que hoje constituem o Iémen e Omã hoje, viajando até a península arábica e Roma e Atenas.
  • O texto informativo que descreve este mapa explica ao visitante como o comércio antigo se caracteriza por existirem muitos entrepostos comerciais, caravanas, diferentes tarifas entre as cidades e regiões. Portanto os bens faziam uma longa viagem o que os tornava muito caros no final.
  • Do lado direito há um outro painel. Como um contraste com o antigo, revela um mapa moderno e apresenta produtos comerciais que vêm de todo o mundo para a Alemanha. Os produtos exibidos são o café, a borracha, a baunilha, o sisal e óleo de palma. Uma seta conecta os principais países exportadores com a Alemanha, para que a conexão seja facilmente visualizada. No texto informativo explica-se que o comércio global aumentou mais de 1.500% apenas nos últimos 50 anos, levando a nossa casa produtos cada vez mais globais. Existem oportunidades mas existem também muitos problemas ligados a este desenvolvimento. Um deles tem a ver com a exploração dos trabalhadores e o outro é a prática do dumping. Competir no mercado global deixa, muitas vezes, como resultado os pequenos produtores dos países em desenvolvimento, sem condições de trabalho decentes. O comércio justo é apresentado como uma maneira possível de solução.
  • As dez caixas por baixo dos mapas contêm produtos globais antigos e modernos que podem ser tocados e cheirados pelos visitantes. Cada caixa tem na tampa uma imagem da planta que é usada para fabricar o produto final. Assim, o visitante pode perguntar: Qual dos produtos mencionados pertence a que planta? Abrindo a caixa irá obter a resposta, pois está disponível uma amostra do produto final, que pode ser manuseada e algumas infografias sobre o país de origem e as condições de trabalho dos agricultores.
  • Com esta instalação, o visitante pode descobrir as semelhanças e as mudanças no comércio transregional:
  • Ver os dois mapas e compará-los. Não há novas informações até mesmo para pessoas que têm um bom conhecimento no tema do comércio mundial e do comércio justo.
  • Ficará a saber mais sobre os diferentes produtos comerciais nas caixas tocando e cheirando.
  • Formar uma opinião sobre as dimensões globais do fenómeno e os impactos sociais, políticos e económicos diretamente relacionados.
  • Reunir informação necessária para agir e fazer a diferença, mudando a sua atitude como consumidor e contribuindo para a persecução do Objetivo de Desenvolvimento do Milénio 8 ("Desenvolver uma parceria global para o desenvolvimento").
Overview_Trade
Modern_Trade
Coffee_Trade
Boxes_Trade

    Orçamento + recursos

    Orçamento necessário:

     

    painel de informação – designer

    200 €

    Mapa – editor

    100 €

    painel de informação – impressão

    460 €

    Caixas - carpintaria

    1220 €

    Caixas – amostras dos produtos

    50 €

    Caixas – autocolantes, designer e impressão

    200 €

    Total

    2230 €

    Passo a Passo

    1º Passo:

    Escolher objeto e tópico

    Escolher o objeto e o tema que deseja trabalhar em conjunto com os seus parceiros. Tipologias possíveis de objetos para se conectarem ao comércio são, por exemplo, produtos antigos (negociados), embarcações para transporte de mercadorias, garrafas ou potes, mapas antigos, antigos veículos de transporte de mercadorias, etc.

    → Tente ficar o mais próximo possível ao foco temático do objeto que você deseja trabalhar. Desenhe ligações para a região, os atores e adapte a sua linguagem ao tom e ao estilo de contar histórias em uso. No nosso caso, decidimos, por exemplo, integrar diretamente a antiga "estrada de incenso" na instalação. Também disponibilizámos os produtos comerciais (finais) relacionados com a estrada incenso e dez caixas com amostras de mercadorias comerciais modernas.

    Escolha um aspeto do tema que seja, ao mesmo tempo, suficientemente complexo e bem definido. Você quer oferecer uma visão geral do comércio em geral ou mostrar uma perspetiva específica sobre o comércio? Quisemos mostrar a interrelação dos custos de transporte (muito elevados no passado e mais baratos nos nossos dias) e da quantidade de bens globais que são comuns na nossa vida quotidiana (no passado raros para a maioria das pessoas, hoje muitos têm acesso), bem como a responsabilidade que vem para nós (consumidores/visitantes) em relação ao comércio justo.

    Haverá ainda certamente muitas outras opções, se quisermos destacar um determinado aspeto particular do comércio. Uma perspetiva interessante será, por exemplo, as consequências e impactos destas trocas comerciais para a comunidade local, o início da iniciativa de comércio justo, o sistema de comércio justo nos dias de hoje e suas consequências positivas para os agricultores, as dimensões do comércio nos tempos antigos e, hoje, o poder da grande empresas, a questão dos direitos aduaneiros, subsídios e acordos como TTIP, etc.

    A quantidade de espaço disponível no museu é, sem dúvida, um dos fatores que limita a forma como o tema pode ser abordado e, por vezes, até pode limitar a escolha do próprio tema. Também instalações técnicas do museu precisam ser verificadas com a devida antecedência, pois isso influencia as propostas que possam ser idealizadas.
    → Pensar pequeno, começar pequeno. Na fase de implementação é muito natural que surjam novas ideias adicionais por isso deve estar preparado para investir mais dinheiro no final do processo!

    2º Passo:

    Um primeiro rascunho

    Projete um primeiro esboço de toda a instalação, incluindo a posição que vai ocupar no museu e os conteúdos para os painéis informativos, tabelas e as caixas. No nosso caso, optou-se por colocar o tema comércio em dois painéis de informação separados, pois isso permite atualizar o conteúdo sem a necessidade de reimprimir.


    Quando se trata de trabalho em madeira/carpintaria é preciso saber com exatidão as medidas desde desta fase inicial do projeto de instalação, uma vez que tem grande influência sobre as estimativas de custo. A utilização da madeira para as caixas precisa de outros perfis de parede de modo a suportar todas as dez das caixas. É muito importante verificar qual o tamanho de cada uma das caixas, pois irá determinar por um lado o tipo de material que vai ser usado e os custos associados.

    3º Passo:

    As estimativas de custo

    Peça estimativas de custo para cada etapa/fase de produção. Caso queira reproduzir esta instalação, vai ser necessário recorrer a serviços de carpintaria, design e impressão gráfica.

    Em relação aos trabalhos de carpintaria clarifique todas as questões de funcionalidade, suporte e segurança antes estimar os custos de produção. Por exemplo, uma questão que nos surgiu após este primeiro esboço foi a forma como as tampas das caixas funcionam. Para nós seria muito importante evitar que as tampas caíssem no chão ou que os visitantes se vissem obrigados a segurar nelas todo o tempo. Conforme seria de esperar as diferentes soluções apresentadas tinham diferentes ofertas de preços.

    4º Passo:

    Criar os conteúdos

    Componha os conteúdos e as imagens para as placas de informação, tabelas, mapas e as caixas (olfativas e hands-on). Peça aos parceiros para corrigir esta primeira versão, tente esclarecer quaisquer mal-entendidos que surjam nesta fase inicial. Caso tenha orçamento contrate um profissional para criar os conteúdos a partir do que já fez (nem sempre sabemos escrever este tipo de informação de uma forma acessível, clara, simples e direta). Os textos desta instalação devem ser bastante curtos, pois existem as dez caixas olfativas e sabemos que poucos vão ler tudo, especialmente se a mancha de texto for densa e complexa.


    Selecione as imagens, gráficos e produtos (comerciais) que reforçam a mensagem dos conteúdos. Caso existam direitos de autor solicite aos proprietários se pode usar esses conteúdos para fins educativos. Noutros casos pode ter que pagar para usar, lembre-se que alguns são fotógrafos freelancers e precisam de obter rendimento pelo seu trabalho! No nosso caso algumas empresas (de importação) de comércio justo oferecerem sem quaisquer custos as suas fotos para a instalação.

    Em relação à escolha dos produtos comerciais para as caixas olfativas praticamente não há limites. A única coisa importante é escolher produtos finais que não manchem as mãos dos visitantes. No nosso caso fizemos uma seleção de produtos de uso diário (café, baunilha) e também produtos mais exóticos (borracha natural, óleo de palma dentro de recipientes próprios).

    5ª Passo:

    Projeto finais a subcontratação

    Quando os textos estão prontos e as imagens já foram escolhidas pode enviar tudo para os designers.

    É caro reproduzir mapas antigos do mundo pois, ao contrário do que acontece atualmente raramente se encontram disponibilizados na Internet. Para adquirir estes mapas antigos precisam é necessário investir algum dinheiro e contratar um designer de forma a conseguir reproduzi-lo em condições, com qualidade, foi o que fizemos.

    Deverá ser remetido ao carpinteiro um projeto técnico, tão detalhado quanto possível, para as caixas de madeira. É muito útil para o carpinteiro se o projeto técnico da instalação incluir também informação sobre o layout gráfico da instalação. Desta forma, o carpinteiro saberá onde etiquetas com textos e imagens vão ser colocados nas caixas com muita exatidão e, assim, evitar erros na construção das mesmas (por exemplo, colocar parafusos em lugares onde adesivos precisam de ser colocadas posteriormente no processo, etc.)

    O mesmo é igualmente importante para o designer gráfico. Neste caso, tendo o projeto técnico em mãos, será possível evitar erros no design gráfico das etiquetas e placas de informação e, ao mesmo tempo, é mais fácil perceber o tamanho e a posição de todos os elementos da instalação.

    6º Passo:

    Organize os materiais que podem ser manuseados pelos visitantes do museu

    Enquanto a produção das caixas está em curso pode-se organizar os materiais, que vão ser manuseados pelos visitantes do museu e que vão ficar dentro das caixas. Como fazer para adquirir alguns destes materiais? Estes foram os nossos canais: A maioria dos produtos comerciais antigos está disponível nas reservas dos museus como o incenso, a canela e a mirra.


    De modo a adquirir grãos de café e vagens de baunilha do comércio justo é fácil, pois existem várias lojas especializadas ou em supermercados hoje em dia. Se quiser tornar esta experiência sensorial mais interessante pode adquirir os grãos de café crus ou torrados através de importadores diretos. Atenção que os frutos de café precisam ser selados, caso contrário pois rapidamente podem estragar-se.

    O sisal está disponível em lojas na Internet como matéria-prima.

    O óleo de palma cru pode ser comprado em lojas especializadas de produtos asiáticos.

    A borracha natural só pode ser encomendada através de poucas empresas importadoras alemãs: trata-se de um produto que é vendido em grandes quantidades, pacotes de cem quilos ou mais. Assim foi através de um contacto direto estabelecido com uma empresa importadora (colegas do departamento de marketing) deste produto que se conseguiu obter algumas amostras sem quaisquer custos.

    7º Passo:

    Revisões e correções

    Correção: é importante contar com vários ciclos de revisão e correção dos conteúdos da instalação/ferramenta de forma a aprimorar o resultado final. Verifique com as pessoas chave, por exemplo, com o designer, dando condições para decorrerem duas a três etapas corretivas. Tente manter o círculo de revisão restrito a algumas pessoas de modo a economizar tempo, mas assegure-se que o processo de correção é transparente para todos os intervenientes.


    Se os trabalhos de carpintaria forem executados fora do museu, promova uma visita para inspeção das caixas serem terminadas e transportadas para o museu de modo a que (caso seja necessário) todas as correções possam ser feitas atempadamente. Caso não seja possível verificar pessoalmente, solicite ao carpinteiro para lhe enviar fotos das caixas com antecedência necessária.

    8º Passo:

    Produção da ferramenta e instalação no museu

    Depois haver luz verde para se avançar, o designer irá enviar o projeto final para impressão, sendo os painéis informativos e etiquetas (para as caixas) remetidas para o museu. Assim que as caixas de madeira forem entregues ao museu é possível iniciar-se a etapa final e instalação as várias componentes da ferramenta.

    Avaliação

    Pontos  Positivos e Negativos

    Positivos

    • A grande vantagem desta instalação é que ele transmite informação aos visitantes não só visualmente, mas também através das experiências sensoriais: oferecendo a possibilidade de tocar e cheirar em alguns materiais. Desta forma, cria grande atenção.
    • O tema do comércio pode estar relacionado com muitos objetos nos museus. Portanto, este tipo de instalação é muito flexível e pode ser reproduzido facilmente em várias tipologias de museus.


    Negativos

    • A instalação requer alguma manutenção. Os produtos nas caixas olfativas vão "desaparecer" depois de algum tempo, pois os visitantes, por exemplo, retiram algumas vagens de baunilha ou outros materiais das caixas. Assim, as caixas precisam ser regularmente reabastecidas pela equipe do museu.


    Lições aprendidas

    Esta instalação ensinou quão valioso pode ser investigar o que o museu oferece como material nas suas reservas como experiência sensorial. No nosso caso, o museu, oferece uma grande variedade de produtos antigos de comércio que se encontrava nas reservas e que raramente foi/é utilizado. Estes materiais foram integrados na instalação e, portanto, agora enriquecem a experiência do visitante.

    Comentários d@s visitantes

    Tal como esperávamos os visitantes gostam, muito toque e cheiro abordagem da instalação.

     

    Links da Internet + outras fontes

    Comércio Justo Internacional:

    www.fairtrade.net (último acesso a 2015/05/08)

    Organização Mundial de Saúde:

    www.wto.org (último acesso a 2015/05/08)

    ONGD Internacionaç " O nosso mundo não está à venda"

    www.ourworldisnotforsale.org (último acesso a 2015/05/08)

    Informação sobre leis de comércio internacional:

    www.worldtradelaw.net (último acesso a 2015/05/08)

    Banco Mundial  

    www.worldbank.org (último acesso a 2015/05/08)

    Este website é cofinanciado pela União Europeia e apoiado pelo Camões - ICL. Os conteúdos deste website são da exclusiva responsabilidade dos parceiros do projeto Museu Mundial e não podem, em caso algum, ser considerado como expressão das posições da União Europeia.


     EU