Contacto | Aviso legal english português České

Instalação áudio para consciencializar para o Objetivo de Desenvolvimento do Milénio (ODM) 4 – Reduzir a Mortalidade Infantil. Uma mensagem áudio em português é transmitida a cada 10 segundos na capela do convento do museu.

Tirando proveito da acústica do espaço, nesta instalação alegórica uma voz feminina narra vários factos sobre a mortalidade infantil em mensagens de 10 segundos (a cada 10 segundos morre uma criança no mundo). Em fundo, um som agudo simula o som da frequência cardíaca nas máquinas de suporte à vida.

Detalhes

De forma a maximizar o impato, a mensagem chave da instalação, a maneira de a transmitir e a sua localização foram cuidadosamente selecionadas:

  • “Uma criança morre a cada 10 segundos de doenças facilmente preveníveis” é uma frase bem conhecida no mundo da ajuda humanitária. A frase procura comunicar um sentido de urgência: um breve atraso de 10 segundos nas nossas ações tiram a vida a uma criança, uma vida que podia ser salva a um custo muito baixo.

  • Considerámos que esta frase podia ter um impacto maior se assumisse uma forma áudio: um tique-taque de relógio, cada segundo a passar após o outro, uma criança a morrer. As sociedades ocidentais conhecem o valor do tempo (“tempo é dinheiro”), tendo uma relação cultural profunda com ele: ao tempo associa-se urgência, eficiência, objetivos. Esta significância cultural pode ser aproveitada vantajosamente se for representada apropriadamente na frase acima e levar a pessoa que a ouve a um sentimento de urgência na ação.
  • O espaço mais conhecido do museu é a capela, onde existe um antigo tumulo onde jazem crianças. Há assim o potencial de associar este espaço ao ODM 4 – Reduzir a Mortalidade Infantil. Informar o público sobre os ODM é ainda a melhor forma de reforçar a cidadania global. Com esta instalação procura-se dar dados precisos e consciencializar os visitantes do museu.

Museo Mundial_PT_Child_1
Museo Mundial_PT_Child_2
Museo Mundial_PT_Child_3

Orçamento + recursos

Orçamento necessário:

Narração

350 €

Imagem gráfica e conteúdos

700 €

Sistema de som

300 €

Folheto

300 €

Materiais impressos

300 €

Total

1950 €

Passo a Passo

1º Passo:

Escolher o local certo

Localização:A análise do local da implementação da instalação é fundamental. A escolha deve obedecer ao critério “Local–ODM”, de forma a permitir ao visitante identificar claramente ambas as dimensões e estabelecer a correta ligação. Com base nestes elementos, e tendo em conta o ODM a abordar (ODM 4) a escolha da equipa foi a capela do Museu.

2º Passo:

Adequar a instalação

Depois de identificado o local, foi necessário refletir sobre o tipo de instalação a implementar. Tendo por base as boas práticas recolhidas no âmbito do projeto, a equipa tinha algumas ideias do tipo de instalação que queria: algo criativo, com forte impacto visual e mobilizador. Como as capelas são locais por natureza de reflexão e silêncio pensámos “e porque não quebrar este silêncio com uma mensagem sonora?“. Deste modo seríamos capazes de captar a atenção dos visitantes.

3º Passo:

Ao trabalho!

Com a ideia da mensagem sonora, e tendo em conta o tema, foi necessário pensar no tipo de mensagem a abordar, duração, materiais de suporte, materiais necessários e como implementar a instalação.

4º Passo:

Reconhecer as nossas capacidades

Como técnicos de projeto, temos capacidade de dar resposta a todo o ciclo de projeto, mas estamos verdadeiramente condicionados como falamos em design e bricolage. Deste modo, é necessário reconhecer as reais capacidade de todos os membros da equipa e procurar especialistas de acordo com o tipo de atividade a desenvolver. Assim, a equipa solicitou 3 orçamentos (regras de procurement) para a um primeiro rascunho e selecionou como fornecedor uma associação de mediação cultural com uma forte componente de design e com capacidade de execução manual da instalação.

Nota: No processo de seleção é necessário identificar com o Museu anteriores fornecedores de serviços similares. A pré-seleção permite ter mais tempo para uma análise de cuidadosa das propostas apresentadas.

5º Passo:

Plano de ação

Depois de constituir a equipa alargada (com os fornecedores de serviço) deve-se estabelecer um calendário realístico para a implementação da atividade, conjugando as agendas de todos os envolvidos e tendo em conta que a instalação deve estar pronta numa data de grande simbolismo (por exemplo, tendo por base o calendários dos dias internacionais, como o dia mundial da justiça social, o dia da Mulher, o dia do ambiente...)

6º Passo:

Os produtos

Com a adjudicação do trabalho aos fornecedores é necessário definir claramente quais os produtos que queremos conceber.

Tendo em conta a realidade dos Museus em Portugal e o grau de conhecimento dos ODM pelo grande público, a equipa decidiu que a instalação deveria ser acompanhada por um folheto. Assim, entre os produtos adjudicados encontram-se a gravação áudio e todos os serviços e materiais necessário para a gravação e projeção da gravação no interior da capela (sistema áudio); o design dos materiais gráficos de suporte e a respetiva impressão.

Aqui, e tendo em conta o orçamento alocado à ferramenta (2000 €), deixámos aos fornecedores a escolha dos tipos de materiais a utilizar (tendo em conta critérios ambientais no caso dos materiais impressos).Relativamente ao folheto, optou-se por incluir o seguinte tipo de informação: Contexto; factos e números; informação adicional; apelo à ação; ligação entre o Museu e o ODM e fotos.

7º Passo

Tudo o que queremos dizer e fazer

O que dizer?

Depois de identificado o tipo de instalação que queríamos desenvolver, bem como o local onde a iriamos implementar, pensou-se na mensagem a passar. A mensagem deve ser clara, breve e correta.

Pesquisa

De forma a ter os dados corretos e atuais pesquisámos em sites de instituições conhecidas pela sua capacidade técnica e de investigação científica. Falando dos ODM teríamos de necessariamente de consultar o site da Nações Unidas (NU). Assim, recorremos aos motores de pesquisa das várias instituições das NU, em particular da UNICEF, e os últimos relatórios publicados por esta agência sobre mortalidade infantil.

Nota: Os dados devem ser os mais atuais possíveis. A falta de precisão compromete toda a instalação

Redação

Depois de recolhida a informação, é necessário redigir a mensagem para a gravação áudio, uma mensagem que seja concisa e capaz de causar impacto. Já para o panfleto, a informação seria mais detalhada, embora não complexa.

Um dos elementos da equipa (full time) redigiu uma primeira versão dos conteúdos, que depois foi partilhada, melhorada e aprovada pela restante equipa (4 membros em part time). Este é um procedimento moroso, mas fundamental para garantir a parceria, e uma linguagem mais acessível a todos os públicos.

8º Passo:

Gravação Áudio

Após a aprovação do guião, os fornecedores trataram de escolher uma voz off para a locução. Os testes foram enviados à equipa e aprovados. 

A mensagem é transmitida por uma voz feminina que narra vários factos sobre mortalidade infantil, demorando cada facto narrado 10 segundos (é mais tarde compreendido que uma criança morre a cada 10 segundos). Um som de fundo simula o som da frequência cardíaca de uma máquina de suporte à vida (“bip!”), ao ritmo de 1 por segundo, sendo o último ‘bip!’ de cada facto narrado mais evidenciado. O ‘bip!’ final (do fim de toda a mensagem) é mais forte e contínuo (‘biiiip!’) enfatizando que uma criança acaba de morrer.

 

9º Passo:

Aprovação dos materiais de apoio

Folheto: O material de apoio à instalação é fundamental para garantir a reflexão sobre a temática, bem como a análise da informação que é transmitida. Neste caso a mensagem era clara, suportado por evidência e números. Quanto aos sites recomendados no folheto optámos por sites que para além de informativos apelassem à ação. A mobilização de cidadãos em prol da justiça social é uma responsabilidade partilhada e como tal deve ser incentivada. Optamos por um site internacional, um nacional e um de uma organização local. Desta forma, a dimensão glocal (global + local) estaria assegurada. 

O folheto deve ter uma ligação visual forte à temática em análise. Neste caso o folheto foi concebido em tons azuis, de forma a corresponder ao tom do ícone oficial do ODM. Em termos de estrutura é um folheto impresso em A3 dobrável em 6 seções, de forma a permitir que o verso do mesmo seja um cartaz. A nossa opção para a foto do cartaz foi a de uma criança, juntamente com o nome da instalação, um QR CODE direcionado para o facebook do projeto, e o nome do projeto. O interior do folheto contém as normas de visibilidade exigidas.
Aqui tornou-se evidente que a contratação do fornecedor se tinha revelado uma mais-valia, pois o folheto apresentando apresentava informação clara, seções bem definidas e uma foto apelativa para o cartaz.

Nota: Para a fotografia do cartaz deve pedir-se várias propostas ao fornecedor. Estas propostas, mesmo que não sejam utilizadas para o cartaz, são essenciais para serem disseminados nos meios digitais.

O folheto foi aprovado pela equipa e enviado para impressão (2000 cópias)

 

Totem: Assim que se falou em folhetos o fornecedor mencionou a necessidade de se criar um suporte para os mesmos. A opção foi um totem em papel, em que a parte superior estava decorada com o ícone do ODM 4. A visibilidade contratual foi colocada na lateral do totem.

Folha de leitura: Tendo em conta que se trata de uma instalação sonora, quisemos assegurar que pessoas com deficiência auditiva teriam acesso à informação. Assim foi produziu-se um cartaz em que a mensagem sonora está escrita. Esta folha de leitura foi feita em Português e Inglês, impressa, plastificada e colocada junto do totem.

Placa de sinalização: É fundamental criar uma placa de sinalização junto da instalação, alertando o visitante que naquele local se encontra algo inovador. A placa foi criada em cartão kapaline e fixada no exterior da capela.

A tela: Todos os museus têm um mapa à entrada que indica as salas e as respetivas exposições. Assim decidiu-se criar um mapa do espaço identificando as 10 instalações de todo o projeto.

Nota: Uma vez que é um processo moroso, e por questões ambientais, a melhor opção é aguardar que todas as instalações estejam colocadas e só no final imprimir a tela. Reduz os custos e os impactos ambientais.)

Em todo este processo é essencial assegurar que o Museu concorda com tudo o que está escrito em todos os materiais de suporte. E é imprescindível assegurar a coerência gráfica entre toos os materiais produzidos, a cor, o tipo de letra e o tom da mensagem.

10º Passo:

Implementação da Instalação  

Depois de todo o material estar impresso e preparado é preciso identificar a data para a montagem da instalação. Chegado o dia é necessário registar fotograficamente o momento e garantir que tudo fica de forma a criar harmonia entre o espaço e a temática.

Na capela o gravador para a projeção da mensagem foi programado para passar a mensagem em loop. O som foi testado de forma a não incomodar os visitantes, mas garantindo que é audível. O gravador foi colocado no balcão superior da igreja onde os visitantes não podem aceder. (Nota: É importante garantir a segurança do material para que não seja alterado ou danificado.)

O totem e os respetivos folhetos foram colocados junto do altar. Assim, ao se entrar na capela, vê-se o totem imediatamente e ao se ouvir a mensagem intui-se que estará associado a esta estrutura.

Como parte do projeto, sabíamos desde o início que era necessário medir o impacto da instalação junto dos visitantes, pelo que foi colocada uma árvore de metal com pequenos braços onde os visitantes são encorajados a prender mensagens escritas em papel.

Para efeitos de avaliação colocámos igualmente dois frascos junto do totem. Um dos frascos está vazio e tem na tampa escrito:” Coloque o seu voto”. O outro contém pequenas pedras que os visitantes podem retirar e colocar no primeiro frasco caso tenham apreciado a instalação.

Para finalizar, desenvolvemos uma cápsula do tempo (utilizando um frasco de vidro) onde os visitantes são convidadas a deixar uma mensagem. Esta capsula será enterrada no final do projeto e desenterrada em 2030 (data final de prossecução dos ODS).

Nota: É necessário identificar junto do equipa do Museu como é feita a recolha e a análise da informação. Igualmente importante é garantir que etiquetas com as regras de visibilidade sejam coladas em todos os materiais comprados no âmbito do projeto. Neste caso, a árvore e os frascos. Não esquecer de registar a montagem através de fotos e vídeos.

11º Passo:

Plano de Comunicação

Como o projeto procura alcançar o maior número de visitantes, foi estabelecido um plano de comunicação para reforço do projeto e de cada instalação em particular. Identificaram instituições chave a contactar, o meio e o tipo de mensagem que queríamos passar.

Assim, nos dias anteriores à data escolhida para a instalação, criou-se no Facebook do projeto um teaser de apresentação da ferramenta, que também foi disponibilizado no youtube

Assista ao teaser  aqui.

Facebook: Connected for a Better World : Com um forte grau de utilização em Portugal, o Facebook é um meio de comunicação por excelência. Assim, e tendo por base a recolha e pesquisa feia anteriormente para o folheto, foi possível criar antecipadamente um registo de post que iria alimentar a página facebook do projeto

Media: É necessário compreender o impacto que a nossa instalação tem na agenda dos media. Apesar disso devemos insistir na elaboração e no envio de press releases para os media sobretudo os locais.

Email Flash: Para potenciar a divulgação da instalação foi criado um email flash contendo a imagem do cartaz, uma breve mensagem, informação sumária do projeto e financiadores.

12º Passo:

Inauguração da instalação

Convites

Deve-se reunir com os parceiros e coordenar os convites a fazer e a lista de quem se deseja presente na inauguração da instalação. É necessário registar o momento e, se possível, obter algumas declarações.

13º Passo:

Divulgação

No dia da inauguração e nas semanas seguintes foram colocados posts e fotos alusivas ao ODM 4 no Facebook do projeto. Foi igualmente solicitado a todos os parceiros que criassem uma notícia sobre a instalação para os seus websites institucionais. Aqui verificou-se que as dinâmicas internas das organizações são bastante diferentes. O IMVF, sendo o coordenador nacional do projeto e uma ONGD, teve mais facilidade em publicar esta notícia no seu site. As instituições públicas têm orgânicas complexas em que a publicação de notícias está dependente de um conjunto maior de critérios.

A divulgação da instalação deve ser feita utilizando todos os canais disponíveis pelos parceiros, incluindo redes e parcerias internacionais.

Avaliação

Pontos positivos e negativos 

Positivos

  • A metáfora áudio parece ter impacto na representação da mortalidade infantil;

  • A mensagem da instalação é omnipresente (o visitante não tem de estar virado para um cartaz para ler a mensagem, por exemplo).

Negativo

  • Ao fim de alguns ciclos, ouvir a mensagem repetidamente torna-se aborrecido;

  • A omnipresença do áudio torna a concentração do visitante difícil quando este está a observar outros aspetos da capela.

Lições Aprendidas

  • A capela, espaço físico onde a instalação foi colocada, é uma infraestrutura antiga que carece de mecanismos modernos de proteção aos elementos (chuva, humidade, calor). O totem, feito de cartão, foi bastante danificado pela humidade. Cuidado especial é necessário para o equipamento eletrónico (stereo hi-fi) que divulga as mensagens áudio. 
  • A omnipresença do audio leva a que os visitantes se aborreçam ao ter de o ouvir durante toda a visita à capela. Um mecanismo de interruptor, controlado pelo visitante, podia ser considerado. Uma ideia é tornar o totem o centro da instalação e colocar-lhe um botão que o visitante podia utilizar para controlar o áudio. A mensagem áudio pararia ao fim de um ciclo. Não se torna claro, contudo, se este mecanismo podia ser facilmente interligado com o stereo hi-fi.

     

Comentários dos visitantes

  • Como ponto positivo os visitantes destacaram o som que simula as batidas de coração; ligação entre a morte de uma criança e o espaço de 10 segundos; a capsula do tempo – compromisso de mudança para o futuro; a utilização do suporte áudio (muito adequado para transmitir a mensagem); a criatividade; a contextualização e a portabilidade.
  • Sobre “o que fariam de diferente”, alguns visitantes afirmaram que se focariam na redução da taxa de mortalidade infantil em Portugal e que acrescentariam auscultadores de forma a tornar a mensagem mais intimista.

Comentário amig@ crítico

  • 5 estrelas a ideia da capsula do tempo. Colocaria mais informação de contexto num local visível. Talvez fosse também uma mais-valia ter o material de apelo à ação junto da instalação.

Links da Internet + outras fontes

Nações Unidas: Objetivo de Desenvolvimento do Milénio 4 - Reduzir a Mortalidade Infantil 

www.un.org/millenniumgoals/childhealth.shtml

Organização Mundial de Saúde (WHO): The Global Strategy for Women’s, Children’s and Adolescents’ Health 2010-2015

www.who.int/pmnch/activities/advocacy/globalstrategy/2010_2015/en/

United Nations Development Programme: Child Mortality - Where do we stand?

www.europe.undp.org/content/undp/en/home/mdgoverview/mdg_goals/mdg4/

WHO: Millennium Development Goal 4 - Reduce Child Mortality

www.who.int/topics/millennium_development_goals/child_mortality/en/

UNICEF: The State of the World’s Children 2014 In Numbers - Every Child Counts

www.unicef.org/publications/index_71829.html

Save the Children:

www.savethechildren.net/

Plan International: Promover os Direitos das Ciranças para acabar com a pobreza

www.plan-international.org/

Este website é cofinanciado pela União Europeia e apoiado pelo Camões - ICL. Os conteúdos deste website são da exclusiva responsabilidade dos parceiros do projeto Museu Mundial e não podem, em caso algum, ser considerado como expressão das posições da União Europeia.


 EU